Por  David Bills, estrategista chefe em confiabilidade, Microsoft



Em uma publicação recente no GigaOM, Katie Fehrenbacher resumiu os planos da Microsoft para um projeto de pesquisa para um data center em Wyoming movido a biogás. Conforme eu refletia sobre os pontos no artigo de Katie, bem como sobre a descrição detalhada do projeto elaborado por Sean James, gerente de programas da Microsoft, comecei a ponderar sobre as implicações relacionadas à confiabilidade de se reduzir efetivamente a confiança que os data centers de grande porte depositam na rede elétrica. Em vista dos recentes desafios que diversos operadores de data centes enfrentaram após a passagem do furacão Sandy, acho que projetos de pesquisa e desenvolvimento como esse são essenciais. Partindo de uma perspectiva de confiabilidade, a noção de que as fontes de energia altamente localizadas, econômicas, abundantes e, o que é mais importante, seguras estão sendo associadas aos consumidores de energia (como data centers) e desassociadas dos sistemas monolíticos complexos (e, comprovadamente não confiáveis), como a rede elétrica, faz muito sentido. Além disso, as vantagens econômicas e os benefícios ambientas são descritos no artigo e recomendo que o leitor dê uma olhada.

É de importância crucial que os operadores de data centers invistam fortemente em no-breaks e em geradores alternativos (sendo os a diesel ou gás natural dois dos mais comuns) para se proteger do possível risco de perda de energia fornecida pela rede elétrica para alimentar o equipamento de computação localizado nas instalações, mesmo se a probabilidade de ocorrer tal perda for relativamente pequena. E sim, também existe a possibilidade de esses mesmos sistemas no-break com os quais os operadores de data center contam para se proteger contra interrupções não funcionarem conforme o esperado e terminarem por causar exatamente aquilo que deveriam impedir: uma interrupção no fluxo de eletricidade. Muito bem, então o que isso tem a ver com o design, desenvolvimento e operação de serviços baseados na nuvem? O projeto Usina de dados reduz o risco relacionado à confiabilidade minimizando o número de sistemas complexos necessários para produzir um fornecimento de eletricidade confiável e localiza a fonte de energia que alimenta as células combustíveis, compartimentalizando melhor o risco potencial para domínios com falhas bem caracterizados (por exemplo, um domínio com falhas igualando a unidade de capacidade de computação em nuvem atendida por uma célula combustível específica). Os designers de serviços na nuvem devem levar em consideração implementar planos similares de aumento da confiabilidade para diminuir o risco de interrupções de serviços: procurar (e remover) sistematicamente todos os tipos de complexidades. A complexidade na pilha de software, assim como a complexidade na infraestrutura física, deve ter prioridade máxima.

Reflita sobre as seguintes perguntas: o software pode ser reintegrado? A infraestrutura física pode ser reequipada para eliminar subsistemas com valor baixo ou components completamente? A carga de trabalho de computação pode ser distribuída geograficamente e aproveitar os recursos de computação comoditizados em vez de exigir recursos de computação altamente especializados (e, portanto, limitados) ou recursos de computação exclusivamente dedicados (e, portanto, dispendiosos) por um longo período? Os procedimentos que exigem intervenção humana podem ser reavaliados sob uma perspectiva voltada para a automação (mínima), ou melhor, completamente eliminados adotando-se uma abordagem drasticamente diferente para obter o mesmo resultado?

Esse ultimo ponto garante reiteração – o projeto Usina de dados é um exemplo de que os pesquisadores na Microsoft estão aplicando uma abordagem inovadora à aquisição do mesmo resultado de uma forma completamente diferente. Neste caso, isso ocorre com o fornecimento de uma fonte econômica de energia confiável usada para alimentar os data centers da Microsoft sem precisar contar com a rede elétrica para o fornecimento. A confiabilidade da energia fornecida para o data center é preservada (ou seja, o resultado desejável) e sem acrescentar fatores de dependência para que sistemas complexos/frágeis o façam, melhorando assim a confiabilidade geral dos serviços baseados em nuvem oferecidos.

Juntamente com as considerações sobre a infraestrutura física, é importante levar em consideração as implicações sobre design e desenvolvimento de software associadas com os serviços baseados em nuvem. Para obter mais informações sobre esse assunto, leia nosso white paper lançado recentemente, “An Introduction to Designing Reliable Cloud Services” (Uma introdução do design de serviços em nuvem confiáveis).

Veja a publicação original em inglês.