Mteto Nyati, Director Geral, Microsoft África do Sul

A África é vasta, muito vasta. Em termos de massa terrestre, China, Índia, os EUA e a maior parte da Europa Ocidental poderiam facilmente caber na sua pegada. Esta dimensão apresenta alguns problemas, dos quais não é menor a dificuldade de ligar as pessoas à Internet. A combinação normal de cobre e fibra frequentemente não funciona, especialmente em áreas rurais onde mais de 60 por cento da população reside.

Para fechar o hiato, temos estado a trabalhar para implementar serviços económicos de banda larga usando tecnologia de espaço branco (frequências de TV não usadas). Tendo lançado projectos piloto no Quénia e Tanzânia sob a iniciativa 4Afrika Initiative – e no Reino Unido e Singapura, estamos excitados por trazer esta tecnologia para a África do Sul. Cinco escolas secundárias em partes remotas da província de Limpopo beneficiarão agora de uma combinação de banda larga sem fios económica, e excelentes dispositivos Windows e serviços pertinentes de educação.

Cerca de 28 por cento dos 50 milhões de pessoas na África do Sul estão em linha, de acordo com o último relatório publicado por Digital Media and Marketing Association e Echo Consultancy, e o ministro da ciência e tecnologia da África do Sul, Derek Hanekom, estabeleceu o objectivo de obter 80 por cento de ligação até 2020. Alcançando este objectivo permitiria que muitos na África do Sul tirassem partido da economia digital em crescimento. Através deste projecto piloto e outros esforços, nós na Microsoft estamos empenhados em auxiliar o governo a alcançar êxito com este importante esforço.

Educação é fundamental para o desenvolvimento económico de qualquer país, e é a educação que beneficiará mais com este projecto particular de espaços brancos. Usando a Universidade do Limpopo como central para uma nova rede de espaço branco que é distribuída através de estações de base de energia solar, o projecto também proporcionará a cada uma das cinco escolas tabletes Windows, projectores, computadores portáteis para professores e formação, painéis solares para recarregar os dispositivos, e conteúdo relacionado com educação.

Em Singapura no mês passado, Microsoft – como membro da Dynamic Spectrum Alliance – preconizou leis e regulamentos que promovem melhor uso de frequências de espectro. Os resultados até agora são testemunho do poder da Internet, enquanto a iniciativa 4Afrika Initiative revela que o uso inteligente de frequências de espectro não usadas pode auxiliar a ligar quem não está ligado.

Claro, acesso a tecnologia cria enorme potencial, mas cremos que é este pacote de fim a fim de acesso com dispositivos e serviços que permite verdadeiro progresso e desenvolvimento económico. Foi por isso que lançámos 4Afrika, uma iniciativa concebida para capacitar e educar jovens, empresários, desenvolvedores, e companhias e líderes cívicos Africanos para converter boas ideias em realidade que possa auxiliar a comunidade, o país, o continente e além deste. Começando aqui no Limpopo, aguardamos ansiosamente trabalhar com a África do Sul para fornecer cada vez mais da nossa linha própria.