Enviado por Marius Haman Advogado Corporativo, Anti-Pirataria, Assuntos Legais & Corporativos, Microsoft Médio Oriente & África

Software falso já existe há quase tanto tempo como os próprios computadores. É um problema sério para a economia mundial e para ambos os grandees pequenos desenvolvedores de software. O ano passado, mencionámos como a fraca protecção dos direitos de propriedade intelectual (PI) em África contribui aos problemas actuais dos mercados no continente, pois reprime a inovação quando as invenções não são adequadamente protegidas pela lei. E este ano, em 6 de Março, lançámos a nossa campanha ‘Play It Safe’, uma iniciativa global de sensibilização sobre questões relacionadas especialmente com a pirataria de software. 

Não se pode negar que muitos de nós já vivemos em um mundo hiper-conectado. Fazemos compras online, banca online, conversamos por vídeo com amigos online e guardámos documentos pessoais online como contas, fotografias e contactos. A internet deu-nos liberdade de escolha, movimento e acessibilidade. Com grande proporção da nossa vida já orientada via a internet, a necessidade de segurança é óbvia. Mas um estudo IDC, intitulado “The Dangerous World of Counterfeit and Pirated Software Study 2013” (Estudo sobre o Perigoso Mundo de Software Pirata 2013) prevê que 2 biliões de programas falsos serão instalados em PCs em 2013. O que a maioria dos utentes não sabe é quão vulnerável a sua vida online se torna com o uso de software falso.  

Em 2013, um-em-três PCs de consumidores que usam software falso serão infectados com malware, o código malicioso oculto muitas vezes, bem dentro de software falso. O objectivo de malware é roubar dados pessoais e reenviá-los a um computador remoto, onde são frequentemente usados por criminosos cibernéticos. O esforço de combate contra o malware continua: só em 2013, a limpeza de malware de PCs de consumidores desperdiçará 11 biliões de USD$ e consumirá 1.5 biliões de horas. Tenho a certeza que todos sabemos de melhores maneiras de gastar dinheiro e tempo.  

A maneira mais eficaz de combater malware é garantir que o software que adquirimos e usamos é legítimo. As redes de criminosos que produzem e vendem software falso fazem todo o possível por garantir que os seus produtos parecem legítimos, tornando a identificação desse software difícil para os consumidores.  

How to Tell é um recurso da Microsoft que oferece aos consumidores informação sobre como detectar os sinais de software falso, e como identificar se é ou não genuíno. O sítio contém informação sobre as várias medidas de segurança da Microsoft e pormenores sobre o que pode fazer se foi vítima de software falso.  

Recomendo-lhe que verifique o seu PC para software forjado, porque se estiver a usar programas falsos, pode estar a comprometer a sua vida online.