Enviado por Orlando Ayala, Presidente de Mercados Emergentes, Microsoft

Para celebrar o Dia Internacional da Mulher, a Microsoft tem orgulho em se associar a ONU Mulheres (UN Women) e artistas de todo o mundo para lançar uma canção e um vídeo de música comoventes e inspiradores, “One Woman,” que celebra o que todos já sabemos: para permitir o futuro que desejamos, devemos reconhecer o grande potencial de metade da população mundial – as mulheres. Para explorar verdadeiramente esse potencial, as mulheres devem estar livres de discriminação, incluindo a violência com base no género que é o foco do Dia Internacional da Mulher de este ano. Cerca de sete mulheres em 10 experienciam alguma forma de violência ao longo da vida. Esta violência causa mais mortes e deficiências que o cancro, o paludismo, acidentes rodoviários e guerras combinados, nas mulheres entre os 15 e os 44 anos de idade. A violência contra as mulheres também tem um custo económico elevado, de cerca de 11.28 biliões de US$ na Austrália e US $32.9 biliões anuais na Inglaterra e País de Gales.

A canção “One Woman” visa suscitar apoio e sensibilizar sobre esta questão. Encorajamo-lo a intervir e partilhar a canção, porque unidos podemos fazer alguma diferença se dissermos não à violência e sim à igualdade de género.  

Como empresa, a Microsoft adopta e apoia plenamente a noção de libertar o poder das mulheres. Sabemos que temos de operar em pé de igualdade e criar oportunidades para todos – estes conceitos estão profundamente enraízados na nossa filosofia corporativa central. Quando as mulheres são integradas completamente na força de trabalho e na sociedade em geral, contribuem com óptimas ideias e impulsionam mais inovação.  É por isso que a Microsoft dá tanto valor à parceria com ONU Mulheres, defensoras globais de mulheres e meninas. ONU Mulheres é uma força vital para promover a igualdade entre os sexos, enfrentar questões importantes como o fim à violência contra mulheres e promover o empoderamento político, social e económico das mulheres. Se combinarmos esforços, poderemos aproveitar o poder da tecnologia para capacitar e proteger as mulheres.

A tecnologia pode ser um verdadeiro catalista para melhorar a vida das mulheres. É por isso que conjuntamente, lançámos o Prémio de Empoderamento da Mulher  para encorajar e recompensar estudantes de qualquer sexo a encontrar soluções para os mais prementes desafios de género no mundo actual. O grupo de Uganda que ganhou a Imagine Cup Grant em 2012 é um bom exemplo do que é possível. O grupo criou WinSenga, um aplicativo móvel que permite a auxiliares monitorar gravidezes e salvar vidas, por menos de 2 porcento do custo de uma ecografia.  

Unidos, estamos também a trabalhar para tornar as cidades mais seguras através da tecnologia móvel, e aumentar o número de mulheres e meninas em ciências, tecnologia, engenharia e matemática (STEM). A YouthSpark da Microsoft através do programa DigiGirlz e a sua parceria com o Círculo Global Give Back, demonstrou que a formação e orientação em tecnologia são uma maneira efectiva de ajudar a transformar a vida de jovens mulheres (conheça a Mary Mwende) e brevemente, a Microsoft vai expandir este modelo com o lançamento de um novo sítio como parte da nossa Iniciativa 4Afrika.

O empoderamento da Mulher não é somente algo que deve ser feito, é a coisa certa a fazer. A experiência mostra que nações com mais igualdade de género e maiores proporções de mulheres instruídas, têm economias mais robustas. Em 2012, o Banco Mundial observou que a eliminação de todas as formas de discriminação contra mulheres no emprego poderia aumentar a produtividade por trabalhador de até 40 porcento. A sub-utilização do talento e das perspectivas femininos não só diminuem a produtividade e a inovação em TI, mas retardam o desenvolvimento económico. Se as taxas de emprego remunerado das mulheres igualassem as dos homens, o produto interno bruto aumentaria de até 14 porcento até 2020.      

Estudos mostram que as mulheres investem uma média de 90 porcento do seu rendimento de volta nas famílias e comunidades, o que reduz a pobreza e melhora a saúde e o ensino. Há um efeito de propagação positivo de este investimento pois as crianças recebem melhor nutrição, educação, e as comunidades são mais seguras e saudáveis – poupando dinheiro em serviços do governo e estimulando o crescimento económico.

É incontestável que depois da crise económica da última década, o mundo procura desesperadamente um modelo económico mais sustentável e inclusivo, que resulte em melhores e mais duradouras oportunidades. Estamos convencidos que as mulheres são e precisam de ser, um elemento essencial para mapear este caminho crucial em frente. Todos estão a olhar para os mercados emergentes mundiais como a China, a Índia, o Brasil e outros, mas cremos que o mercado emergente mais excitante para o mundo vai ser o das mulheres, com a possibilidade de trazerem imenso valor económico e crescimento social.    

Sabendo que as mulheres são a chave do nosso futuro, é essencial trabalharmos juntos para melhorar as suas vidas e demolir as restrições que enfrentam – sejam elas barreiras ao trabalho ou à liderança política, mais acesso a tecnologias de base para encorajar o empreendedorismo e a independência económica, ou as consequências da violência contra as mulheres. É por isso que é tão importante estarmos aqui hoje a espalhar a mensagem de que progresso para as mulheres é progresso para a sociedade.  

Esperamos que se junte a nós.