Director Geral, Serviços de Apoio ao Cliente para a Europa, Médio Oriente e África

Por volta desta altura, no ano passado, acompanhei uma equipa de dez engenheiros da Microsoft dos Serviços de Apoio ao Cliente (Região da Europa, Médio Oriente e África ou EMEA na abreviatura inglesa) a Blantyre no Malawi para ajudar a lançar a parceria de aprendizagem do Malawi, Malawi Learning Partnership. Durante a visita instalámos uma rede que ligou quatro escolas e que irá permitir aos professores, estudantes e parceiros colaborarem entre si no sentido de melhorar a educação no país.

O impacto que a viagem teve em nós, e a enorme diferença que, como constatámos na altura, pudemos fazer em apenas uma semana, levou-nos a regressar este ano a fim de oferecer mais apoio para a formação das parcerias de aprendizagem do Malawi (Malawi Learning Partnership) e dar mais apoio às escolas em Blantyre. A equipa montou vários laboratórios de informática, computadores fixos, realizou oficinas de trabalho DigiGirlz, e deu formação a 23 professores, tendo trabalhado sem descanso todos os dias a fim de poder benificiar o maior número possível de escolas. Os membros da equipa encontraram soluções para problemas novos que se levantaram, sentiram-se inspirados por histórias incríveis, e regressaram aos seus lares com uma perspectiva diferente sobre a vida.

image

23 professores de 13 escolas diferentes receberam formação sobre como montar os seus próprios laboratórios informáticos, aprenderam técnicas básicas para solucionar problemas e aprenderam a fazer a manutenção de computadores

Nesta visita ao Malawi, houve alguns aspectos que me tocaram em particular:

1. O ritmo espantoso a que as crianças aprendem: Todo a gente sabe que as crianças têm uma capacidade enorme para aprender, que em muito excede a dos adultos. No entanto, nunca cesso de me espantar com o quanto conseguem aprender em pouco tempo Num dos eventos da DigiGirlz que realizámos este ano para raparigas da zona rural de Chikwawa, vimos raparigas que nunca tinham visto um computador na vida aprender a usá-lo e a preparar o seu próprio CV – apenas num dia.

image

Sessão de DigiGirlz realizada no Fishermen's Rest para raparigas de Chikwawa

2. A força das parcerias Trouxemos 13 dos nossos melhores engenheiros de todo o mundo para nos proporcionarem a sua valiosa experiência e nos ajudarem com a formação e criação de ligações de parceria para o programa do Malawi, o Malawi Learning Partnership. Mas sem o apoio de outros parceiros, como a escola St Andrews’ International School, a empresa Access Communications, e o projecto The Malawi WiFi Project, este tipo de projectos seria simplesmente impossível. Doámos 40 computadores portáteis a duas escolas no Malawi para as ajudar a ampliar os laboratórios de informática – mas caberá aos nossos parceiros oferecer ligação sem fios (WiFi) e conectividade 3G. Aos professores cabe a tarefa de garantir que a nossa doação tenha o máximo impacto nestas escolas.

3. O entusiasmo é tão importante quanto as infraestruturas: É importante montar laboratórios de informática e ligar as escolas à Rede, mas a não ser que haja um espírito de entusiasmo pela tecnologia, o Malawi nunca terá tecnologia suficiente – pessoas com as necessárias competências para impulsionar a economia. Motivar os professores, mostrar às crianças o que é possível fazer-se com a tecnologia, e imbuí-los da confiança necessária para usarem computadores são formas importantes de dar a estes jovens uma ideia de como a tecnologia pode ter um impacto positivo no seu futuro. Durante os sete eventos realizados no âmbito da iniciativa DigiGirlz no Malawi, conseguimos dar uma oportunidade a mais de 120 raparigas de experimentarem o tipo de empregos que podem seguir na indústria da tecnologia.

image

Uma das moças que assistiu a um seminário da iniciativa DigiGirlz nas instalações da Samaritans Trust

Por último, a parte da nossa visita não virada para a tecnologia recordou-nos, uma vez mais, como as medidas mais simples podem mudar vidas. Pudemos constatar isto pessoalmente quando visitámos 10 poços artesianos no sul do Malawi, em TA Mphuka, que foram perfurados ou recuperados com dinheiro angariado pela nossa equipa. Através dos esforços por nós envidados para angariar fundos junto a amigos, familiares e colegas, conseguimos dar acesso a água limpa a 2500 pessoas.

Para mais fotografias e vídeos sobre a nossa visita ao Malawi, visite a página do facebook: Microsoft EMEA CSS: Malawi 2.0 Facebook page.