Por Alessandro Gonçalves

Acredito que muitos de vocês que estão aguardando , ou que apenas se interessam pelo assunto devem saber que o Hyper-V virou RTM , e está disponível para download. Também está disponível o Hyper-V Language Pack . Além disso há a atualização do Management Pack para Vista Service Pack 1.

Virtualização é um termo que nós todos estamos escutando há anos , e iremos escutar por muitos mais. É um campo fascinante e estou muito feliz que a Microsoft esteja totalmente compremetida com a tecnologia.

Para professionais de TI a interação com virtualização vem de muitos anos , de palestras a ambientes de testes , de domínios inteiros rodando em Virtual PC e servidores de correio com 128MB de memória RAM para demonstrações. Ou seja , já experimentamos os altos e baixos de um tipo de hypervisor.

Todavia para apreciar e utilizar todos os recursos e vantagens de um ambiente virtualizado , é necessário que novos conceitos sejam aprendidos e que alguns paradigmas que nós todos temos sejam quebrados.

Para isso espero passar alguns conceitos que considero importantes a todos que desejam utilizar virtualização no dia-a-dia. E ter um turnaround o mais rápido possível no investimento nessa tecnologia que com certeza estará presente na maioria de nossos clientes.

O termo virtualização vem sendo utilizado por várias pessoas e companhias para diferentes coisas. Podemos ter virtualização para storage , software , hardware. Claro que para o Hyper-V em grosso modo estamos falando da habilidade de se utilizar um único componente de hardware , um servidor e poder executar vários sistemas operacionais ao mesmo tempo nesse equipamento , utilizando com muito mais eficiência a capacidade de processamento dos servidores. Bem não me parece um conceito tão difícil :-)

Mas como conseguimos alcançar é que muito interessante ...

Primeiro temos um componente chamado hypervisor , que habilita a virtualização ao apresentar um hardware virtual para que possámos instalar um sistema operacional e isolá-lo completamente de outros componentes sendo executados no sistema.

Teoricamente existem 2 tipos de hypervisors :

Tipo 1 : É instalado diretamente no hardware como um programa de controle . As VM's são instaladas diretamente no hypervisor.

Nessa categoria se encontram e Hyper-V , VMWARE ESX Server e o Citrix XEN Enterprise Server.

Tipo 2: Nesse tipo o Hypervisor necessita de um sistema operacional que o controle . Ou seja o hypervisor acaba rodando como um processo de user-mode no OS.

Nessa categoria estão o Virtual PC , Virtual Server , VMWare Server ( antigo GSX )

Também temos duas opções para o modelo de kernel do hypervisor - monolítico ou microkernel.

Para o Hyper-V , seguimos o modelo de microkernel , onde device drivers escritos especificamente para serem utilizados por um hypervisor não são necessários. Todavia necessitamos de um root / parent partition que forneça um ambiente de execução para os device drivers e child partitions (guest OS) se comunicam com o root / parent partition para para operações que necessitem de acesso ao hardware. A vantagem é que o hypervisor nesse modelo tem um footprint bem pequeno e podemos utilizar todos os device drivers já homologados para Windows Server 2008 , sem a necessidade de reconstruí-los tendo o hypervisor em mente.

Espero estar compartilhando vários recursos que conheço para melhor explicar esses conceitos e aumentar o nível de sucesso em utilizar essa tecnologia.

Para esse primeiro blog sobre Hyper-V , gostaria de adicionar esse vídeo que explica com bastante detalhes os conceitos de hypervisor.


Virtualization

Obrigado pela atenção.