Solucionando problemas quando Aplicações deixam de responder no Servidor

Por: Marcelo Fontes

 

Quem será o provedor do suporte?

 

É comum depararmos com problemas em que determinada aplicação deixa de responder, e os administradores usualmente reiniciam o servidor sem que informações adicionais sejam coletadas para que se possa detectar a real causa do problema. Passamos neste artigo algumas dicas básicas de como depurar as informações antes que o servidor ou aplicação sejam reiniciados, e que ajudam a determinar quem deve receber uma escalação para ajuda na resolução do problema. Cabe ressaltar que o primeiro objetivo seria isolar se o problema estaria na aplicação, no sistema operacional, ou em algum outro ponto. Dependendo do resultado, as ações para resolução do problema e quem será o ponto primário de suporte poderão ser diferentes.

 

1- Teste da console

 

          É possível acessar a console? Em caso positivo, o comportamento da console é normal? Lento? Você pode abrir Windows Explorer, notepad e outras aplicações nativas do Windows normalmente?

Caso o comportamento da console seja normal, muito provavelmente o problema está focado na aplicação que deixa de responder ou em algum outro ponto de dependência da aplicação. Caso não seja normal, devemos considerar o caminho para resolução do problema que passa pelo sistema operacional.

 

2- Teste da aplicação que pára de responder

 

          Partindo-se do principio de que a console do servidor apresenta comportamento normal, antes de apontarmos o problema para a aplicação, teríamos que entender como a aplicação trabalha. Se a mesma é acessada via rede ou tem alguma dependência de rede, teríamos que excluir a possibilidade de termos um relacionado a isto. Outra possibilidade é existir dependência de algum outro servidor na rede, por exemplo, um servidor de banco de dados. Caso não exista problema de rede, ou dependência de outro servidor, qual o resultado ao se reiniciar o serviço ou executável da aplicação? Se ela volta a trabalhar, ou não exista qualquer evidência de que as dependências citadas acima pudessem ser o causador do problema, cabe ao provedor da aplicação ser o elemento principal em na identificação do problema. O provedor da aplicação poderia apontar a falha devido a alguma dependência do sistema operacional, se for este o caso, ele deve apontar qual seria esta dependência onde a Microsoft seria engajada rumo à solução.

 

3- Teste da rede

 

          No momento em que o problema se apresenta, é possível ter resposta do servidor a um ping?

          É possível acessar um compartilhamento do servidor? Conexão de terminal services via RDP?

          Caso a aplicação escute na rede em uma determinada porta TCP, é possível se fazer um Telnet (telnet “IP do servidor” “Numero da Porta TCP”)?

          A aplicação permite acesso a partir da console do servidor? Caso não haja evidência de problemas de rede, a console responde a diferentes aplicações, e o problema se concentra somente na aplicação em questão, o provedor da aplicação deve primariamente prestar suporte ao problema.

 

4- Como proceder na situação em que a console deixa de responder?

 

          Veja meu próximo meu artigo no blog, “Travamento de Servidores”. Como fazer troubleshooting.

 

5- Como proceder na situação em que a console está lenta?

 

          Veja meu artigo no blog sobre suporte a problemas de lentidão de console do sistema operacional.